ARTE DNA COR HORIZ 2.png
Logo tipologia branco PNG menor.png
Eduardo PB.png

EDUARDO VALENTE

IDEALIZADOR

Formado em cinema pela UFF com mestrado na ECA/USP, trabalhou como programador em vários festivais, e desde 2016 é membro da equipe do Olhar de Cinema – Festival Internacional Curitiba, assim como delegado para o Brasil do Festival de Berlim. Trabalhou como crítico de cinema e editor das revistas de crítica Contracampo (1998-2005) e Cinética (2006-2011), e foi assessor internacional da Ancine (2011-2016). Como cineasta, realizou três curtas (Um Sol Alaranjado, 2001; Castanho, 2003; O Monstro, 2006) e um longa-metragem (No Meu Lugar, 2009), todos exibidos no Festival de Cannes, entre outros.

CURADORIA_

Cachoeira 2 quadrado.jpg

CACHOEIRADOC

Fundado no contexto do Bacharelado em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, pelo Grupo de Estudos e Práticas em Documentários, o CachoeiraDoc é o festival de documentários de Cachoeira, que acontece, desde 2010, na histórica cidade baiana.

ERLY VIEIRA JR.

Cineasta, escritor e pesquisador na área audiovisual. Mestre em Comunicação pela UFF e Doutor em Comunicação e Cultura pela UFRJ (2012), é professor do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-graduação em Comunicação (POSCOM), da UFES. É integrante do coletivo cultural capixaba Baile e coordenador do grupo de pesquisa Comunicação, Imagem e Afeto (CIA-Ufes). É autor dos livros Plano Geral – Panorama histórico do cinema no Espírito Santo (2015), Marcus Vinícius – A presença do mundo em mim (2016), Exercícios do olhar, exercícios do sentir (2019), Realismo sensório no cinema contemporâneo (2020) e Rasuras: Vídeo experimental no Espírito Santo (no prelo). Realizou dez curtas-metragens, entre ficções e documentários, exibidos em diversos festivais nacionais e estrangeiros. Seus quatro primeiros filmes estão reunidos no DVD Algumas estórias (2008). Atua como curador audiovisual há dez anos. Desde 2012, é um dos curadores do Festival de Cinema de Vitória.

KÊNIA FREITAS

Pesquisadora, crítica e curadora de cinema, com pesquisa sobre Afrofuturismo e o Cinema Negro. Fez estágios de pós-doutorado (CAPES/PNPD) no programa de pós-graduação em Comunicação na UCB (2015-2018) e no programa de pós-graduação em Comunicação da Unesp (2018-2020). Doutora pela Escola da Comunicação da UFRJ na linha Tecnologias da Comunicação e Estéticas (2015). Realizou a curadoria das mostras Afrofuturismo: cinema e música em uma diáspora intergaláctica (2015), A Magia da Mulher Negra (2017 e Diretoras Negras no Cinema brasileiro (2017-2018).  Integrou as equipes curatoriais do IX CachoeiraDoc (2020) e Festival de Cinema de Vitória (2018). Escreve críticas para o site Multiplot!. Ministra cursos e oficinas sobre crítica, cinema negro, afrofuturismo e fabulações.

RAFAEL PARRODE

Pesquisador, mestrando em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA-USP. Atuou como crítico colaborador de diversas revistas e publicações como a Revista Cinética, Revista Janela, Jornal O Popular, entre outros. É curador, produtor e realizador, nascido em Goiânia, Goiás. Produziu e programou diversas mostras de cinema e desde 2014 é um dos diretores artísticos e coordenador de programação internacional do Fronteira Festival. Na Barroca Filmes, produziu vários curtas e longas-metragens, entre eles Taego Ãwa (2016) e Mascarados (2020). Dirigiu os curtas Bom Dia Santa Maria (2019), cuja estreia ocorreu na 23.ª Mostra de Cinema de Tiradentes, e Memby, exibido dentro da mostra Pardi di Domani do Festival de Locarno 2020, e premiado como melhor curta brasileiro no Olhar de Cinema.

Ana Caroline de Almeida PB.jpg

CAROL ALMEIDA

Doutora no programa de pós-graduação em Comunicação na UFPE, com pesquisa centrada no cinema contemporâneo brasileiro. Faz parte da equipe curatorial do Festival Olhar de Cinema/Curitiba desde 2017, e já participou da curadoria do Recifest, da Mostra Sesc de Cinema e, mais recentemente, da 2ª Mostra de Cinema Árabe Feminino. Dá oficinas sobre crítica de cinema, curadoria, cinema brasileiro contemporâneo e representação de mulheres no cinema. Integrou júris de festivais como Tiradentes, Mostra de São Paulo, FestCurtas BH, Janela de Cinema e Animage. Escreve sobre cinema no blog foradequadro.com

HEITOR AUGUSTO

Atua nas intersecções entre curadoria, crítica e pesquisa. Programou filmes para museus, festivais, centros culturais e cineclubes. Integrante do Programmers of Colour Collective, rede internacional de curadores não-brancos. Cofundador e programador-chefe do NICHO 54, instituto que atua na formação e estruturação das carreiras de pessoas negras no cinema. Integrou o júri de diferentes festivais, entre eles o do Teddy Award da 70ª Berlinale. Mantendo constante contato com a diáspora negra, atualmente faz investigações curatoriais das manifestações experimentais e queer negras no cinema, tecendo possíveis pontes entre Brasil e Estados Unidos. Pesquisa o Blaxploitation sob uma perspectiva estética-formal, histórica, racial e política. Desde 2015 tem desenvolvido, por meio de projetos curatoriais, textos e aulas, uma cartografia da presença negra no cinema brasileiro.

Cleber Eduardo PB quadrado.jpg

CLÉBER EDUARDO

Curador do DOCSP LAB e coordenador do Festival Online de Filmes de Inquietação. Foi professor entre 2008 e 2020 do Bacharelado em Audiovisual do Centro Universitário Senac SP, curador da Mostra de Cinema de Tiradentes entre 2008 e 2019, crítico da Cinética entre 2006 e 2010, crítico da Contracampo entre 2002 e 2006, crítico da Revista Época entre 1998 e 2006 e crítico do jornal Diário Popular entre 1992 e 1998. 

JANAÍNA OLIVEIRA

Pesquisadora e curadora, Janaína Oliveira é doutora em História, professora no IFRJ (Instituto Federal do Rio de Janeiro), e foi Fulbright Scholar no Centro de Estudos Africanos na Universidade de Howard, em Washington D.C. nos EUA. Desde 2009, desenvolve pesquisas sobre as cinemastografias negras e africanas, atuando também com curadora, consultora, júri e painelista em diversos festivais e mostras de cinema no Brasil e no exterior. Em 2019 realizou a mostra Soul in the eye: Zózimo Bulbul's legacy and the Contemporary Black Brazilian Cinema no IFFR – International Film Festival Rotterdam. Foi também consultora de filmes da África e da diáspora negra para o Festival Internacional de Locarno (2019-2020). Atualmente é curadora do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul (RJ), do FINCAR (Festival Internacional de Realizadoras / PE) e da Baobácine Mostra de Filmes Africanos de Recife. Faz parte da APAN (Associação dos Profissionais do Audiovisual Negro). É idealizadora e coordenadora do FICINE, Fórum Itinerante de Cinema Negro (www.ficine.org) e  é a programadora do Flaherty Film Seminar (Nova York) para 2021.

LEONARDO BOMFIM

Programador da Cinemateca Capitólio, em Porto Alegre, desde 2015. Foi programador da sala de cinema P. F. Gastal, na mesma cidade, entre 2013 e 2017. Realizou trabalhos de programação para os festivais de Gramado (2019, 2020) e de Brasília (2018). Publicou textos sobre cinema nas revistas Teorema, Norte, Noize, Cahiers du Cinéma e Harper's Bazaar Brasil. Desde 2012, é um dos editores do Zinematógrafo. 

PEDRO AZEVEDO

Mestre em Estudos de Arte pela Universidade do Porto, com linha de pesquisa em curadoria, museologia e crítica de arte, Pedro Azevedo é bacharel em Cinema e Audiovisual pela Universidade de Fortaleza e atua como curador do Cinema do Dragão desde 2013, onde já programou diversas mostras e festivais. Enquanto crítico, já colaborou com o Jornal O Povo nas coberturas dos festivais de Berlim e Cannes, além de ser membro da diretoria da Associação brasileira de críticos de cinema (Abraccine), por onde já integrou júris em festivais nacionais, foi autor no livro Documentário Brasileiro: 100 Filmes Essenciais e atualmente coordena o projeto de difusão Sessão Abraccine. Também ministrou oficinas de crítica e curadoria para os cursos de cinema da Unifor, da Porto Iracema das Artes e foi roteirista/apresentador do TVCine Dragão, programa de debates exibido pela TV Ceará entre 2015 e 2017. Recentemente atuou como curador convidado do SESC 24 de Maio na mostra À Nordeste – Cinema de Reinvenção, parte da programação integrada da exposição À Nordeste, em São Paulo.

Conversas_

ADRIANA AZEVEDO

olhar_

Erly vieira Jr. 

De corpo a corpo: personagens transbordantes, espectadorXs desejantes

Doutora pelo Programa de Literatura, Cultura e Contemporaneidade da PUC-Rio, com passagem pela Université de Lille 3 com supervisão de Sam Bourcier, e pesquisadora de pós-doutorado FAPERJ/PUC-Rio. É teórica feminista e autora do capítulo Corpo-atritável ou uma nova epistemologia do sexo, do livro Pensamento Feminista: Sexualidades no Sul Global (2020). Atualmente, está à frente do projeto de comunicação digital @escutafeminista e é uma das criadoras e editoras da Filipa Edições

ALESSANDRA BRANDÃO

olhar_

CAROL ALMEIDa 

A cidade e as brechas ocupadas

Professora do Programa de Pós-Graduação em Literatura, do Programa de Pós-Graduação em Inglês e do curso de Cinema da Universidade Federal de Santa Catarina. Foi Secretária Acadêmica e Vice-Presidente da Socine. Trabalha com cinema brasileiro e latino-americano, com ênfase em questões de gênero, sexualidades e feminismos decoloniais. 

BEATRIZ FURTADO

olhar_

Pedro Azevedo 

O mundo em desencanto

Professora do curso de Cinema e Audiovisual, do Instituto de Cultura e Arte, da Universidade Federal do Ceará. Pesquisadora da área de cinema e artes contemporânea, às vezes faço curadoria de exposições, outras vezes realizado obras fílmicas e, também por vezes, participo de curadorias\juris de festivais. Acredita na Ciência e nas forças da mãe Natureza.

CAMILA VIEIRA

olhar_

KÊNIA FREITAS 

Movimentos fabulares

Pesquisadora e curadora de cinema. Doutora em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Escreve atualmente na revista eletrônica Multiplot. Integra a equipe de curadoria de curtas-metragens da Mostra de Cinema de Tiradentes, desde 2018, e de curtas contemporâneos da CineOP, desde 2019. É integrante da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). É co-organizadora do livro Mulheres Atrás das Câmeras: as Cineastas Brasileiras de 1930 a 2018 (Estação Liberdade, 2019), indicado ao Prêmio Jabuti 2020. 

CARLA ITALIANO

olhar_

HEITOR AUGUSTO 

O corpo, novamente

Pesquisadora em cinema e programadora de mostras e festivais. Doutoranda em Comunicação Social pela UFMG, é uma das organizadoras do forumdoc.bh - Festival do Filme Documentário e Etnográfico e integra a equipe de programação de longas-metragens do Olhar de Cinema de Curitiba (2018-2020). Foi co-curadora das mostras Esta terra é a nossa terra (2020), Retrospectiva Helena Solberg (2018), Imagens do Antropoceno (2017), Retrospectiva Jonas Mekas (forumdoc 2013), entre outras. Natural do Recife e residente em Belo Horizonte.

FÁBIO ANDRADE

olhar_

PEDRO AZEVEDO 

O mundo em desencanto

Crítico de cinema, pesquisador, e artista com trabalhos em cinema e música. É doutorando em estudos de cinema pela New York University, e mestre em roteiro pela universidade de Columbia. Ex-editor da Cinética, já teve textos publicados por Criterion Collection, Film Quarterly, Filmmaker Magazine, Berlinale, Festival de Rotterdam, entre outras, e trabalhou com cineastas como Eryk Rocha, Paula Gaitán, Ramon Porto Mota, Geraldo Sarno, Gabriel Mascaro, e Thomas Elsaesser. 

FABIO RODRIGUES FILHO

olhar_

CACHOEIRAdoc

Desaguar em cinema: retomar territórios invadidos

Atua na crítica, programação e realização em cinema. Mestrando no programa de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), graduou-se na mesma área na Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB). É membro dos grupos Áfricas nas Artes (Cahl/UFRB) e Poéticas da Experiência (UFMG). Realizador do filme ensaio Tudo que é apertado rasga (2019). Compôs a comissão de seleção de festivais, mostras e laboratórios de filmes, a exemplo do FestCurtas BH (2019-2020), Diáspora Lab (2018), I FIANB (2020) etc. Mais recentemente, compôs o corpo curatorial do IX CachoeiraDoc, festival junto ao qual vem contribuindo ao longo dos últimos anos. Cineclubista, participou do Cineclube Mário Gusmão, Cine Tela Preta, Cinema em Vizinhança etc. Trabalha como cartazista, realizando pôster de alguns curtas-metragens e mostras. Contribui com textos para revistas, sites e publicações diversas, além de nutrir o blog pessoal Tocar o Cinema

FRANCIS VOGNER

olhar_

CAROL ALMEIDA  

A cidade e as brechas ocupadas

Mestre em Meios e Processos Audiovisuais na ECA-USP, crítico de cinema e foi colaborador foi colaborador de diversas revistas brasileiras e estrangeiras, entre elas a Revista Cinética. Faz parte da equipe de programação da Mostra de Cinema de Tiradentes e de outras mostras da Universo Produção como Mostra Cine Ouro Preto e Mostra Cine BH. Pelo CCBB fez a curadoria das mostras Jacques Rivette - Já Não somos Inocentes, Easy Riders - O Cinema da Nova Hollywood e Jerry Lewis - O rei da Comédia. É roteirista do filme O Jogo das Decapitações, de Sergio Bianchi; co-roteirista de O Último Trago, de Pedro Diógenes, Luiz Pretti e Ricardo Pretti e Os Sonâmbulos, de Tiago Mata Machado. É diretor do filme A Máquina Infernal (2021). Em parceria com Jean-Claude Bernardet, lançou o livro O Autor no Cinema, onde escreve ensaios adicionais para o  livro que teve sua primeira edição nos anos 90.

HÉLIO MENEZES

olhar_

HEITOR AUGUSTO 

O corpo, novamente

Antropólogo, atua como curador, crítico e pesquisador. Mestre e Doutorando pela Universidade de São Paulo e Affiliated Scholar ao Brazil Lab, Princeton University. É curador de Arte Contemporânea do Centro Cultural São Paulo e do Museu de Arte Osório César. Foi coordenador internacional do Fórum Social Mundial de Belém (2009), Dacar (2011) e Túnis (2013). Entre seus trabalhos recentes, destacam-se a curadoria das exposições Vozes contra o racismoAbre-Caminhos, Há luz atrás dos muros, The discovery of what it means to be Brazilian e Histórias Afro-Atlânticas.

HERNANI HEFFNER

olhar_

JANAÍNA OLIVEIRA 

Cotidiano singular

Gerente da Cinemateca do MAM, professor da AIC e idealizador da série lost+found, em finalização. 

INGÁ MARIA

olhar_

CACHOEIRAdoc

Desaguar em cinema: retomar territórios invadidos

Ingá mexe com escrita, montagem, programação de filmes, feminismos e arte-educação. Redatora e coeditora da Revista Cinética, atuou facilitando oficinas de vídeo nos projetos Fazer o mundo, fazendo o vídeo, Inventar com a diferença e Vídeo nas aldeias. Também ministrou oficinas de crítica em parceria com o CachoeiraDoc e o IMS/Cinética. Programa sessões cineclubistas com o coletivo Catucá, a Aldeia Marakanã e integrou a comissão de seleção de curtas-metragens no XII Janela Internacional de Cinema do Recife. É natural de Olinda (PE) e estuda licenciatura em cinema e vídeo na UFF.

JULIANO GOMES

olhar_

CLEBER EDUARDO 

Espaços concretos de vidas em cinema

Crítico, professor e artista. Co-Editor da Revista Cinética, onde escreve desde 2010.  Atualmente, faz parte do comitê de seleção do Sheffield DocFest (Inglaterra). Publicou na Filme&Cultura, Folha, Piauí e diversos catálogos de mostras e festivais. Foi Júri do Doclisboa, Mostra Tiradentes, Cachoeira Doc e Fronteira. Leciona regularmente na AIC-Rio. Publicou sobre teatro na revista Horizonte da Cena e sobre música no catálogo do festival Novas Frequências, além de textos de apresentação para dois discos de Rômulo Fróes. Mestre em Comunicação pela UFRJ, com dissertação sobre Jonas Mekas. Dirigiu com Léo Bittencourt os curtas As Ondas (2016) e "..." (2007). Site pessoal: juliano-gomes.com 

LUÍS FERNANDO MOURA

olhar_

KÊNIA FREITAS 

Movimentos fabulares

Curador e pesquisador, Luís Fernando Moura é coordenador de programação do Janela Internacional de Cinema do Recife desde 2015. Integrou comissões internacionais do FestCurtasBH (2017-2019) e do forumdoc.bh (2018) e foi cocurador de mostras como Brasil Distópico (2017) e L.A. Rebellion (2017-2019). Graduado na UFPE, é mestre e doutorando pelo PPGCOM-UFMG, onde investiga relações entre curadoria e dissidência. Mantém fuga, projeto independente de curadoria de filmes. Integra o Cineclube Comum.

MARCELO IKEDA

olhar_

LEONARDO BOMFIM 

Era uma vez, era outra vez…

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e professor de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Ceará (UFC). Trabalha nos campos da realização, crítica, curadoria e pesquisa em cinema. Autor dos livros Cinema de garagem (com Dellani Lima), Cinema brasileiro a partir da retomada, Fissuras e fronteiras, O cinema independente brasileiro contemporâneo em 50 filmes, entre outros. Mais informações em www.cinecasulofilia.com e em www.marceloikeda.com

MARCELO RIBEIRO

olhar_

RAFAEL PARRODE 

Desvios do contemporâneo

Professor de História e Teorias do Cinema e do Audiovisual na Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia. Coordena o grupo de pesquisa Arqueologia do Sensível (www.arqueologiadosensivel.ufba.br), desenvolvendo e orientando pesquisas sobre imagem, história e direitos humanos, entre outros temas. É também autor e editor do incinerrante (www.incinerrante.com).

MARIA BOGADO

olhar_

CLÉBER EDUARDO 

Espaços concretos de vidas em cinema

Formada em audiovisual pela UFRJ. Na mesma instituição, desenvolve tese acerca de processos fílmicos no cinema brasileiro atual que desestabilizam noções convencionais de autoria e exploram a emergência de gestos coletivizados. Pesquisou epistemologias feministas, com publicações no livro Explosão Feminista (Companhia das Letras, 2018), entre outras. Integrou a curadoria do evento de poesia, performance e música experimental Subcena, realizado no Audio Rebel (RJ). Criou e co-editou a Revista Beira até 2016. Fazemos da memória nossas roupas é o seu primeiro filme.

PATRICIA MOURÃO

olhar_

RAFAEL PARRODE 

Desvios do contemporâneo

Pós doutoranda no Departamento de Artes Visuais da Universidade de São Paulo e doutora em cinema também pela USP. Sua prática e pesquisa é voltada para cinema experimental e filmes de artista, com foco em narrativas e contra narrativas da história da arte.  Programou mostras de cinema no Brasil e no exterior de realizadores como Andrea Tonacci (Centre Georges Pompidou, 2017), Jonas Mekas (CCBB, 2013) e Harun Farocki (Cinemateca Brasileira, 2010). Editou publicações sobre artistas como David Perlov, Pedro Costa, Straub-Huillet e Jonas Mekas. Seus textos já apareceram em revistas como Zum, Select, Film Quarterly e Framework Journal.

PEDRO HENRIQUE FERREIRA

olhar_

LEONARDO BOMFIM 

Era uma vez, era outra vez…

Professor na Comunicação Social/Cinema da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Crítico na Revista Cinética e colaborador eventual em outros espaços. Curador de mostras, retrospectivas e cineclubes em diversos centros culturais (Centro Cultural Banco do Brasil, Caixa Cultural, entre outros) e instituições (Instituto Goethe, Sessão Cinética). Doutorando no PPGCine na Universidade Federal Fluminense (UFF). Sócio-Fundador da Dilúvio Produções.

RAMAYANA LIRA DE SOUSA

olhar_

CAROL ALMEIDA  

A cidade e as brechas ocupadas

Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem e do Curso de Cinema e Audiovisual da UNISUL. Desenvolve também atividades de curadoria e gestão cultural. Trabalha na interseção entre estudos de cinema e estudos feministas/gênero/lésbicos.

TATIANA CARVALHO COSTA

olhar_

JANAÍNA OLIVEIRA 

Cotidiano singular

Doutoranda no PPGCom/UFMG e professora no Centro Universitário UNA, em Belo Horizonte, onde coordena o projeto PRETANÇA. Integrante dos grupos de estudos/pesquisa CORAGEM – Comunicação, Raça e Gênero – e Poéticas da Experiência, ambos na UFMG. Participa do movimento segundaPRETA e colabora em festivais de cinema e cineclubes como curadora, programadora e júri. Co-autora dos livros Olhares Contemporâneos (2011), Mulheres Comunicam: Mediações, Sociedade e Feminismos (2016), entre outros.

VINICIOS RIBEIRO

olhar_

Erly vieira Jr. 

De corpo a corpo: personagens transbordantes, espectadorXs desejantes

Professor adjunto da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EBA/UFRJ). É doutor em Comunicação e Cultura pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ), na linha de pesquisa em Tecnologias da Comunicação e Estéticas, e Mestre em Cultura Visual pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Tem trabalhado, em suas pesquisas, com corpo, gênero, sexualidade e suas relações com as artes visuais, cinema, fotografia e cultura visual contemporânea.

CUP FILMES

PRODUTORA

Empresa sediada em São Paulo, criada pelos irmãos Ivan e Ilaine Melo para produzir e distribuir filmes independentes Brasileiros e internacionais. A CUP foi criada no ano de 2018 e, desde então, produziu os curtas-metragens Palavra Presa e Anas, de Ilaine Melo, e coproduziu os longas Alvorada, de Anna Muylaert e Lô Politi; A Mãe, de Cristino Burlan, e Bob Cuspe - Nós Não Gostamos de Gente, de Cesar Cabral, todos com lançamentos comerciais previstos para 2021. No momento a CUP está finalizando em parceria com a Bambu Filmes o longa Parabéns, Garota!, de Luís Carlos Soares, e desenvolvendo duas coproduções internacionais, Baby, de Marcelo Caetano, em parceria com as produtoras Brasileiras Plateau e Desbun, a Holandesa Circe Films e a Francesa Still Moving, e o segundo longa-metragem em Stop Motion de Cesar Cabral, o infantil Um Pinguim Tupiniquim, em parceria com a Coala Filmes de São Paulo e a Mutante Cine, do Uruguai. Com a produtora Ypê Produções de Santa Catarina, a CUP deve rodar ainda em 2021 o documentário Palavra Presa, de Ilaine Melo.

EXPEDIENTE

REALIZAÇÃO

Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa – Lei Aldir Blanc

 

PRODUÇÃO

Cup Filmes

 

IDEALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Eduardo Valente

 

CURADORIA

CachoeiraDoc, Carol Almeida, Cléber Eduardo, Erly Vieira Jr., Heitor Augusto, Janaína Oliveira, Kênia Freitas, Leonardo Bomfim, Pedro Azevedo, Rafael Parrode

 

PRODUÇÃO EXECUTIVA

Ivan Melo

 

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO

Ilaine Melo

 

EQUIPE DE PRODUÇÃO

Luca Perini, Luciano Fusinato, Oliver Consultoria

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA

Paula C Ferraz – Sinny Assessoria

 

CONCEPÇÃO VISUAL E PROJETO GRÁFICO DO CATÁLOGO

Ebert Wheeler

 

EDIÇÃO E TEXTOS DO CATÁLOGO

Eduardo Valente

 

CONCEPÇÃO VISUAL E PROJETO GRÁFICO DO WEBSITE

Iago Sartini

 

PESQUISA

Eduardo Valente e Adriano Garrett

 

VINHETA

Danilo Osorio Rodrigues – Coala Filmes

 

PÓS PRODUÇÃO DO VÍDEOS

Antiglitch Foundation

edição: Victor Matos

finalização lucas Negrão

 

DEBATEDORES

Adriana Azevedo, Alessandra  Brandão, Beatriz Furtado, Camila Vieira, Carla Italiano, Fábio Andrade, Fabio Rodrigues, Francis Vogner, Hélio Menezes, Hernani Heffner, Ingá Maria, Luís Fernando Moura, Marcelo Ikeda, Marcelo Ribeiro, Maria Bogado, Patrícia Mourão, Pedro Henrique Ferreira, Ramayana Lira, Tatiana Carvalho Costa, Juliano Gomes, Vinicios Ribeiro

 

PLATAFORMA DIGITAL

Belas Artes À La Carte

 

AGRADECIMENTOS

Boulevard Filmes, Cesar Cabral, Embaúba Filmes, Fabiana Amorim, Imovision, Simone Yunes,  Stephanie Saito, Vídeo nas Aldeias, Vitrine Filmes, Beth Ribeiro (Filme B), Claudia Mesquita, João Luiz Vieira, Kleber Mendonça Filho, Leonardo Mecchi, Marcus Mello, Olhar de Cinema, Ruy Gardnier, Sara Rocha